Inloco Construtora
  • Home
  • Concurso de arquitetura – Casa da sustentabilidade – Parque Taquaral – Campinas – SP

Concurso de arquitetura – Casa da sustentabilidade – Parque Taquaral – Campinas – SP

  • 01

  • 02

  • 03

  • 04

  • 05

  • 06

  • 07

  • 10

  • 09

  • 08

  • 11

  • 12

  • 13

  • 14

Nota-se a necessidade de o ambiente natural ser alterado para um local construído, a partir da dessa demanda, começamos nossa reflexão sobre o que seria um objeto construído com características ecológicas.

A construção deve ser projetada de maneira inteligente e com materiais que, em sua produção, a energia despendida tenha menor impacto ambiental que métodos convencionais.

Nesse contexto iniciou-se a discussão sobre qual tipo de estrutura devemos utilizar para a Casa da Sustentabilidade, quanto de energia, qual a distância que o material deve percorrer até o canteiro de obra, que tipo de mão de obra é necessária para determinada atividade, quais tipos de sistemas de geração de energia seriam os mais adequados, etc.

Como ponto de partida inicial, pensamos em uma proposta onde a edificação constitua a de menor agressão ao meio existente, quase imperceptível, sendo uma construção que não seja o destaque, mas se insira com sutileza ao entorno criando uma simbiose entre o existente e o novo.

A volumetria partiu de uma massa geométrica em forma de paralelepípedo com 20,00 metros de largura e 74,20 metros de comprimento, esculpido criando cheios e vazios no exterior e interior da Casa da Sustentabilidade. Em nossa proposta previmos que a movimentação de terra seria demasiado desnecessária, então, com essa premissa, optamos por elevar a edificação em relação ao perfil natural do terreno, realizando escavações somente na área do plenário. Em sua extremidade norte o volume está praticamente tocando o perfil natural do terreno. Já no outro extremo (face sul) a edificação eleva-se do terreno de maneira que o balanço sobressalente da laje aparente flutuar sobre a topografia.

A divisão dos espaços foi pensada de forma hierárquica, sendo a área externa tratada como o espaço público, onde todas as pessoas possam acessar sem qualquer restrição mesmo quando o prédio estiver fora de funcionamento. Para tanto, foi criado um corredor de circulação ao redor da edificação, havendo a possibilidade de caminhar e até mesmo sentar-se na extremidade da laje em balanço que está protegido pelos brises verticais. Os acessos foram pensados de forma a permitir a passagem pelo prédio sem a necessidade de circundar a edificação.

Pelas entradas nas fachadas oeste e leste, temos um grande espaço destinado ao cultivo de árvores nativas da região, protegido por caixilhos e não havendo cobertura com a pretensão de prover a iluminação natural bem como a irrigação das espécies plantadas. Ainda assim, o visitante que entrar no local terá uma visão total da área de exposições, sala de espera, recepção além da visão do entorno da edificação, uma vez que as fachadas internas da edificação será envidraçada, permitindo a contemplação do parque que circunda a Casa da Sustentabilidade.

Ao mesmo tempo, esse espaço organiza a edificação hierarquicamente, sendo ao lado sul a área de exposições de acesso livre e ao norte as áreas semi publicas e de acessos restritos.

A recepção e salão de espera foram posicionados de maneira estratégica onde será feita a separação das pessoas que acessarão as áreas restritas, salas de reunião e plenário. Nas faces leste e oeste, após a recepção, encontram-se os corredores de acesso ao plenário, salas de reunião, copa de apoio, dispensa, segurança e aos sanitários.

Os sanitários foram dimensionados a atender a população total da edificação além da previsão de sanitário acessíveis no térreo.

As salas de aula atendem a todos os requisitos de um local de aprendizado e ainda, havendo a necessidade de realizar aulas para mais de 30 pessoas, o fechamento entre salas conta com divisórias retráteis, flexibilizando o uso dos espaços. Com essa mesma premissa, as salas de reunião também apresentam solução similar, podendo comportar reuniões com até 32 pessoas.

No plenário criamos um espaço onde todos possam ter acesso e participar das audiências. Os coordenadores ficam dispostos abaixo do público, para tanto realizamos a terraplanagem terreno, criando patamares e a construção das arquibancadas.

Ao fundo da edificação estão dispostas as áreas técnicas, vestiário, casa de ar-condicionado e coleta seletiva. Passando pela recepção onde o acesso é restrito, o desnível é vencido através de escada e elevador chegando ao patamar superior onde teremos áreas administrativas da Casa da Sustentabilidade e do COMDEMA.

Na área administrativa, optamos por dividir os departamentos em salas fechadas localizadas nas fachadas, utilizando divisórias em gesso acartonado, que são de fácil mobilidade em caso de alteração de layout. Para as estações de trabalho optamos pela utilização de mobiliário de escritório tipo bancada “open space”, para a coordenaria geral e secretaria geral optamos por colocá-los em espaços fechados, porem com divisórias modulares em vidro e a sala do presidente será fechada em divisória de gesso acartonado.

Estrutura

A estrutura foi pensada visando a racionalidade e economicidade da obra, buscamos assim a utilização de estruturas pré-fabricadas em concreto e, eventualmente, estruturas moldadas inloco. Os eixos estruturais foram pensados a dar grande flexibilidade no arranjo da Casa da Sustentabilidade, bem como a possivel ampliação da edificação, com dimensões entre 10 metros, 7,90metros e 15,60 metros respectivamente. Com essas dimensões os vãos podem ser vencidos com lajes pré-moldadas.

Sustentabilidade

A Casa da Sustentabilidade terá como sistema energético renovável a produção de energia elétrica através de placas fotovoltaicas. O sistema irá funcionar de maneira a gerar energia de forma distribuída. Assim, a energia gerada pelo sistema fotovoltaico será transferida para a rede elétrica da concessionária gerando créditos, reduzindo o consumo da energia produzida pelas Companhias Elétricas.

No período em que a energia produzida na casa da sustentabilidade for superior a consumida, o excedente será creditado na conta de luz. Dessa maneira, em fases de baixa produtividade fotovoltaica, como em períodos noturnos e dias nublados, esses créditos são recuperados, gerando a redução do custo no fornecimento de energia.

Também prevemos no projeto o reaproveitamento das águas cinzas (captação de aguas dos chuveiros dos vestiários e pias dos sanitários bem como águas pluviais). As águas provenientes desses locais serão tratadas em uma estação de tratamento enterrada, localizada a leste da edificação para posterior utilização nas bacias sanitárias, regar o jardins, etc. Ainda assim, prevemos que as louças e metais serão especificadas com controladores de fluxos afim de termos o uso racional da água.

Além do tratamento das águas cinzas, foi previsto no projeto uma estação de tratamento de esgoto, onde todas as águas provenientes das bacias sanitárias serão direcionadas para a estação de tratamento anaeróbico e, após o tratamento a água será direcionada para rede da concessionária de água e esgoto. O material sólido gerado pelo tratamento será utilizado como adubo para a horta localizada ao lado leste da Casa da Sustentabilidade.

O sistema de ar-condicionado empregado será tipo VRV onde o controle individual característico da instalação gera um grande ganho de energia, uma vez que só serão utilizados em momento de operação dos ambientes, evitando dessa maneira o desnecessário consumo de recursos elétricos.

O sistema de iluminação que propomos será composto por luminárias com grande desempenho funcional e com lâmpadas led, onde o consumo energético e durabilidade foi um fator determinante para sua escolha.

O brise vertical será composto a partir de treliças metálicas revestidas com painéis de madeira laminada colada Pinus, que por sua vez é um material de alta resistência e oriundo de cultivo controlado, bem como os revestimentos das paredes da recepção e forro em madeira da sala de exposição e plenário que utilizaram o mesmo revestimento.

O passeio construído na área externa da Casa da sustentabilidade será composto por material drenante.

Leave a comment

Profissionais especializados

sua obra em boas mãos

Fale conosco